Site do Centro de Documentação e Memória - ICEFLU - Patrono Sebastião Mota de Melo

Tradução Google

Portuguese Dutch English French German Italian Japanese Spanish

PAD. NEL COMPLETA 88 ANOS COM A FAMÍLIA REUNIDA

0
0
0
s2sdefault

Manoel Gregório da Silva foi o primeiro morador da Colônia Cinco Mil, onde recebeu a família do Pad. Sebastião, recém chegada do Juruá. Nascido em Açu, no Rio Grande do Norte, desde criança ajudava os pais na agricultura, na colheita da palha de babaçu para fazer cera e caçando passarinhos para ajudar na alimentação dos muitos irmãos. Jovenzinho foi trabalhar nas salinas em Mossoró e pouco depois viajou com os pais para a Amazônia, para ser soldado da borracha. Na épica viagem foram escoltados por submarinos e zepelins em plena 2ª. Guerra Mundial. Seu destino porém estava traçado, embora já encaminhado para determinado seringal, a morte prematura de um irmãozinho seu, João Batista, em Manaus, fez com que a mãe não quisesse mais esperar o navio que os levaria e optasse por outro seringal, Adélia, vizinho de onde morava Sebastião Mota de Melo.


Daí em diante a história já é conhecida, moraram neste seringal por 8 anos, onde Sebastião conheceu e se casou com Rita Gregório. Com a decadência do ciclo da borracha, Nel e a família seguiram para Rio Branco-AC, onde um irmão era sargento, ficando só Sebastião, Rita e os filhos pequenos. No Acre Nel conheceu Cristina Raulino, por quem logo se apaixonou. Trabalhando duro abrindo estradas na enxada e no machado, ainda encontrou tempo para construir sua casa que logo estando pronta recebeu os recém-casados. Tiveram 10 filhos: Silvia, Antonio Jorge, Odemir, Roberval, Rosa, Maria Amélia, Rosineide, Rutilene, Sebastião e Sérgio (que fez a passagem ainda criança).


Mestre na agricultura, no feitio de Santo Daime, de açúcar, de farinha, de carvão e com muitas outras habilidades, Padrinho Nel foi grande companheiro e amigo do seu cunhado Sebastião. Acompanhou-o na ida ao Rio do Ouro e na abertura do Céu do Mapiá. Entre muitos causos contados, tem uma frase lapidar: “nesta Vila, aonde minha vista alcança, minha enxada já passou”.

No dia 6 de setembro de 2016, Manoel Gregório comemorou seus 88 anos acompanhado dos filhos, a mana Júlia, netos (sua neta Robervana aniversariou no mesmo dia), bisnetos, sobrinhos, familiares, afilhados e muitos amigos. Neste dia foi cantado O Justiceiro na igreja, no dia 7 teve almoço, oração e o bolo. Nossos rogativos a Deus que lhe dê muitos anos de vida, com muita saúde, felicidade e prosperidade. Viva os aniversariantes!






 


Texto e fotos: Oswaldo Guimarães – Secretário de Comunicação do IDARIS.
 
 
 
 

Mensagem do Padrinho Alfredo

0
0
0
s2sdefault
Aviso para toda a irmandade sobre a ida da Madrinha Rita ao Rio de Janeiro para continuação dos estudos sobre a coceira no seu corpo e ajustes dos medicamentos. Saiu hoje dia 29.08.2016 do heliporto do Céu do Mapiá. Foi uma linda despedida com muitas bênçãos e recomendações e foi também uma boa viagem, graças a Deus. Agradecimentos a Juramidam e a toda equipe que está organizando o melhor para a mãe Rita, Padrinho Alfredo, Beth Mendes, Marlene, Nonata, Eliana e todos os que que já estão e os que ainda vão se juntar para fazermos a campanha da Saúde da Madrinha Rita. Desejando muita firmeza para ela e para o Padrinho Nel, para uma boa recuperação.
 
Saúde para todos nós.
Alfredo Gregório de Melo
 

Médiun Goiano e Comitiva Visita Mapiá

0
0
0
s2sdefault
Famoso por ter indicado o local exato onde foi encontrado os destroços do helicóptero que caiu matando o deputado federal Ulisses Guimarães e o senador Severo Gomes (1992), após quase 20 dias de intensas buscas no oceano envolvendo inclusive uma equipe alemã e por ter psicografado uma carta da filha da autora de telenovelas Glória Peres reconhecida pela mãe como autêntica, o médiun goiano Robspierre Caetano, 45 anos, esteve visitando a Vila Céu do Mapiá em meados de julho, acompanhado de sua esposa, Ana Carolina Melo, da veterana daimista mineira Priscila Veloso e de uma comitiva de mais 18 pessoas. 
 

Médiun (de barba branca) posa com a comitiva ao lado da Mad. Rita. 
 

O médiun, que incorpora o guia Pai João de Aruanda desde os 6 anos, vindo também a trabalhar posteriormente com os doutores Lazarino e Custódio, além de várias outras entidades espirituais da linha kardecista e de Umbanda, conheceu o Santo Daime em 2002 após atender em seu centro Fraternidade Cayman (um ser intraterreno) o veterano mapiense Raimundo Sena. Depois de frequentar igrejas daimistas em Belo Horizonte conheceu Chico Corrente e por orientação deste passou a frequentar os trabalhos de gira de Umbanda da Baixinha, onde aprendeu o ritual de Umbandaime. 
 
Médiun de mensagens, transportes, atendimento de preto velho, caboclo, cura e cirurgias mediúnicas, Pierre, como também é conhecido, atende em seu centro, em Belo Horizonte-MG, às 4as. (desobsessão e cura) e 5as. feiras (Gira de desenvolvimento) e aos domingos (Gira oficial), além dos trabalhos do calendário daimista. 
 
No Mapiá, com sua grande e animada comitiva, em menos de 2 semanas, participou de uma estrela na igreja com o Pad. Alfredo, concentração, hinário do Pad. Sebastião no aniversário do Pad. Wilson, da Estrela da Mata, gira na Santa Casa, trabalho de desobsessão e cura e estrela do Pad. Sebastião, além de muitas visitas a veteranos e passeios na floresta. 
 
Robspierre se disse encantado com a Comunidade, agradeceu muito o carinho e a calorosa recepção, estuda sua filiação na ICEFLU e seu envolvimento maior com o Mapiá e toda irmandade mundial, prevendo voltar muito em breve para participar de um festival. 
 
Texto: Oswaldo Guimarães, secretário de comunicação do IDARIS
 
 
 

Geraldine: Um Testemunho (+fotos e videos)

0
0
0
s2sdefault
Hoje, dia 1° de Junho de 2016, por volta das 16h do horário da Holanda,  Geraldine Fijneman, nossa querida Geraldine, fez sua passagem para o plano espiritual aos 71 anos de idade. Apesar da dor e do sofrimento dos últimos meses, exalou seu último suspiro em grande paz, enquanto a filha  molhava seus lábios com um pouco de água, a única coisa que nestes últimos tempos conseguia ingerir.
 
Quase todos conhecem a história e a fibra desta mulher que, condenada no início dos anos 90 por um diagnóstico de tumor cerebral a viver mais três meses, se tornou um exemplo e um símbolo de fé e testemunho no poder de cura do Santo Daime.
 
Nesta sua sobrevida de 23 anos, foi uma batalhadora incansável na luta pela legalização do Santo Daime na Europa e no desenvolvimento e consolidação da nossa doutrina.
 
Em muitos momentos, Geraldine lutou para manter seu processo de cura e contornou as dificuldades se entregando totalmente ao SD e aos métodos da medicina natural. Nos últimos tempos , compreendendo a inevitabilidade do seu próprio passamento, revelou pouco a pouco às pessoas mais íntimas seu desejo de abandonar a matéria , cada vez mais difícil de sustentar. Sabiamente, já não corria, como outrora, em busca do milagre. Sua própria vida até então  já era por si só o milagre.
 
Mas mesmo nesta sua fase terminal, o brilho dos olhos, sua presença estava sempre ali. Impedida de se locomover, ela acompanhava os trabalhos em casa, ao vivo , através do facetime.
 
Ponto de referencia para toda uma geração de daimistas, sua casa na van Kingbergenstraat sempre abraçou com muito amor, carinho e um jeitinho brasileiro a todos quanto por lá passaram.
 
Como todo espirito elevado, como toda pessoa de coração compassivo e alegre,  Geraldine deixa em nossa memória uma saudade e também uma leveza. Neste sentimento ela continua vivendo, pois é dele que a eternidade é tecida: pelo que guardamos de bom em nosso coração.
 
Quando há alguns anos atrás tive a oportunidade de acompanhar os últimos momentos da nossa também tão querida irmã Prya, vi em algumas oportunidades Geraldine lendo para ela trechos do Bardo Todhol, o Livro Tibetano dos Mortos. 
 
Nele, o autor dá vários conselhos para a consciência que se dissolve e continua de alguma forma consciente, mesmo além da morte física. Quando a vi  fardada no seu leito mortuário, foi uma passagem do Bardo que sussurrei no seu ouvido: “Geraldine, siga a luz branca radiante!
 
Após a linda missa que fizemos de corpo presente no hospice onde ela faleceu, sua inseparável amiga Lisbeth me dizia que ela, quando falava de sua passagem, sempre dizia que sua alegria era saber que encontraria a Madrinha Cristina, a quem era muito ligada.
 
Sem dúvida que atravessando esta luz branca radiante elas irão se encontrar...
 
Amsterdam, 1º de junho de 2016
 
Alex Polari de Alverga

 

 


 
 
Geraldine: A testimony
 
Today, June 1, 2016, around 4 pm of the Netherlands time, Geraldine Fijneman, our dear Geraldine, made her transition to the spiritual plane with the age of 71. Despite the pain and suffering of the last few months, she breathed her last sigh in great peace, while the daughter wet her lips with a little water, the only thing in recent times could ingest.
 
Almost everyone knows the story and the fiber of this woman, condemned in the early 90s by a diagnosis of brain tumor to live another three months, she has become an example and a symbol of faith and testimony in the healing power of the Santo Daime.
 
In her 23 year survival, she was a tireless fighter in the struggle for legalization of Santo Daime in Europe and the development and consolidation of our doctrine.
 
In many instances, Geraldine fought to keep her healing process and skirted the difficulties surrendering totally to Santo Daime and methods of natural medicine. In recent times, understanding the inevitability of her own passing, little by little revealed to the most intimates her desire to leave the body, increasingly difficult to sustain. Wisely, she no longer ran, as before, in search of the miracle. Her own life until then already was itself the miracle.
 
But even in this terminal phase, the shine of her eyes, her presence was always there. Not able to move around, she had been following the works at home live through facetime.
 
Reference point for a whole generation of daimistas, her house in van Kingbergenstraat always embraced everybody passing there with love, affection and a  'jeitinho Brasilieiro'.
 
Like every high spirit, like every person with compassionate and joyful heart, Geraldine leaves in our memory a saudade and also a lightness. In this sentiment she is still living, because eternity is woven of it: for what we keep of good in our hearts.
 
When a few years ago I had the opportunity to accompany also the last moments of our beloved sister Prya, and those moments Geraldine reading to her passages from the Bardo Todhol, the Tibetan Book of the Dead.
 
In it, the author gives several tips on the awareness that dissolves and remains in any way conscious, even beyond physical death. When I saw her dressed in uniform in her deathbed, it was a passage from Bardo that I whispered in her ear: "Geraldine, follow the radiant white light!”
 
After the beautiful Missa we made with the body present at the hospice where she died, her inseparable friend Liesbeth told me that she, when she spoke of her transition, always said that her joy was knowing that she would find Madrinha Cristina, with whom she was strongly connected.
 
No doubt that passing through this radiant white light they will meet ...
 
Amsterdam, June 1, 2016
 
Alex Polari of Alverga
 
 

Engenheiro Geotécnico Avalia Solo do Novo Templo

0
0
0
s2sdefault
O engenheiro civil geotécnico radicado em Rio Branco-AC, Otávio Pinto Batista Filho, esteve com sua equipe nesta segunda semana de maio no Mapiá com a finalidade de definir e dimensionar o solo onde está sendo assentada a fundação da obra da nova sede mundial da Igreja do Culto Eclético da Fluente Luz Universal Patrono Sebastião Mota de Melo - ICEFLU. Embora ainda não tenha um parecer definitivo, Otávio, graças a sua grande experiência no assunto, adiantou que o terreno suporta o peso da obra, avaliado em cerca de 200 toneladas. 
 
 Para tanto foram feitas 8 perfurações ao redor da obra seguidas de coleta de amostras do solo - o plano inicial eram 4 mas o engenheiro resolveu dobrar para verificar as imediações do açude e da grota ao lado. Através das amostras, ensaios penetrométricos e cálculos aritméticos será possível avaliar a capacidade de carga do terreno. Após perfurações com profundidade de 8 metros foram encontradas uma camada de areia (4m em média), seguida de formações ferruginosas (piçarra) e uma camada de argila. Não foi encontrada água. O subsolo foi considerado uniforme. 
 
O engenheiro disse ainda que vai sugerir muros de contenção ao lado do açude e da grota, como forma de prevenir eventuais erosões e que, numa avaliação superficial, sem consultar os cálculos da construção, avalia que a estrutura está superdimensionada a favor da segurança, não havendo portanto nenhum risco, nem mesmo com a ação de fortes tempestades ou ventanias. 

 
 
Texto: Oswaldo Guimarães – Secretário de Comunicação do IDARIS
Fotos: Miguel Ferreira 
 
 

Reabertura do Ramal Purus-Mapiá

0
0
0
s2sdefault
Foram iniciados os trabalhos de reabertura do ramal que liga o rio Purus à Vila Céu do Mapiá, passando pela Comunidade Fazenda São Sebastião, na boca do igarapé Mapiá. A reabertura do ramal é uma antiga luta da Igreja do Culto Eclético da Fluente Luz Universal Patrono Sebastião Mota de Melo – ICEFLU como forma de facilitar o acesso à sua sede mundial e melhorar o transporte na área, principalmente com a construção do seu novo templo.
 
O trecho entre o Purus e o Mapiá estava interditado há anos por ordem judicial devido à contestação de um proprietário de terra no local que dizia que a área lhe pertencia. Embora a ICEFLU viesse contestando a interdição na justiça, sempre nos era negado este direito. Na ocasião em que a Comunidade conseguiu recursos governamentais para reabrir o ramal teve que entrar pela região denominada Praia Gregório, pertencente à Flona Purus, mas que ampliava em cerca de 30 km o percurso original além de aumentar em cerca de 20 minutos o percurso fluvial pelo rio Purus. 
 

Odemir embarca com sua equipe para abertura do Ramal.                Trator com os trabalhadores.            
 
A liberação do trecho só se deu após uma ação junto ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBIO e ao Incra, com apoio do Ministério Público, que avaliaram que a área pertence ao entorno da Flona, portanto não pode ser considerada particular. 
 
Agora, com apoio da irmandade e supervisão do irmão Odemir Raulino, já foram levados para o local um trator e vários trabalhadores para o início das obras. A reabertura servirá para o transporte da ferragem necessária para a cobertura do novo templo da ICEFLU, com peso avaliado em torno de 60 toneladas e abre a possibilidade também da construção de uma futura pista de pouso para transporte aéreo. 
 
Texto: Oswaldo Guimarães – Secretário de Comunicação do IDARIS

Correção: Na matéria acima 'Iniciada a Reabertura do Ramal que Liga o Purus ao Mapiá' , foi dito que o ICMBIO autorizou a entrada pelo trecho do ramal reivindicado por um proprietário particular. Na verdade o ICMBIO registra que existe jurisprudência para tanto, mas ainda não foi dada a autorização. 
 
 
 
 

Arquivos do Blog